user_mobilelogo

Foi excelente a presença da Veloso Motorsport em Valência, onde no passado fim-de-semana se iniciou o CER-GT 2018, competição que reuniu no Circuito Ricardo Tormo mais de 50 carros. Com muito público nas bancadas ao logo de toda a jornada, as três formações da equipa da Póvoa de Lanhoso estiverem em grande plano, com destaque para a dupla Pedro Marreiros/Nuno Batista, que levaram o Porsche 911 GT3 Cup ao triunfo entre os carros de GT.

Em grande evidência esteve também Edgar Florindo, sempre entre os mais rápidos dos TCR, conseguindo um magnífico sexto posto final com o seu SEAT Leon TCR. Menos afortunados, Jorge Rodrigues e Patrick Cunha, conseguiram excelentes tempos entre os GT, mas um problema de origem electrónica no Maserati GranTurismo GT4 deitaria tudo a perder na corrida, forçando a dupla da Veloso Motorsport a abandonar prematuramente.

“Este foi um fim-de-semana de loucos e se conseguimos este resultado, isso fica a dever-se ao espectacular trabalho da Veloso Motorsport para resolver os problemas que condicionaram inicialmente as nossas prestações. Partimos o diferencial nos treinos e não foi fácil conseguir arranjar outro, quando o conseguimos ainda tivemos problemas com os parafusos que eram diferentes, mas felizmente conseguimos resolver tudo com a ajuda e boa vontade de algumas pessoas ligadas à Porsche. Entretanto não conseguimos alinhar na qualificação, não fazendo qualquer tempo e por isso saímos da 52ª posição da grelha. Apesar de ter tanto pneus, como discos, como pastilhas de travão novos e por “acamar”, - algo que não conseguimos fazer nos treinos -, a prova começou bem para nós. Fiz um bom arranque e com um ritmo rápido, comecei a ganhar lugares sobre lugares para entregar o carro ao Nuno na 15ª posição. Ele fez um bom final de corrida e conseguiu levar o carro à vitória nos GT e com isto conseguimos os nossos objectivos para este início de época, o que nos deixa obviamente satisfeitos.” Disse Pedro Marreiros.

“Como o Pedro explicou foi um fim-de-semana muito “stressante” mas que acabou de facto bem e isso deixa-nos felizes por todo o esforço despendido. Ganhar na nossa categoria nos GT era o objectivo que perseguíamos, conseguimos mais do que isso e vencemos nos GT em termos absolutos o que é fantástico. Vamos continuar a dar o máximo para que esta época chegue ao final com um título, penso que as indicações não poderiam ser melhores e por isso a motivação para a próxima prova está ainda mais forte. Uma palavra de agradecimento para todos os que nos ajudaram a resolver o problema com o diferencial e um especial obrigado a todos na Veloso Motorport, equipa constituída por profissionais exemplares.” Afirmou Nuno Batista.

“Não foi um fim-de-semana fácil a nenhum nível, mas no final a recompensa de saber que andamos sempre na luta pelas primeiras posições e a muita experiência que consegui retirar desta presença, são factores que nos deixam dizer que cumprimos os objectivos para esta primeira presença no CER. Consegui a volta mais rápida da corrida entre os TCR e não fora o facto do nosso SEAT não estar preparado para corridas de resistência e por isso sem equipamento para reabastecimento rápido, teria terminado pelo menos no pódio. Foi uma corrida de 2 duas horas sempre em ritmo de “sprint” e por isso muito dura em termos físicos, mas apesar de tudo consegui manter-me sempre muito concentrado e consistente. Gostei muito do “feeling” do carro, com a Veloso Motorsport a fazer um trabalho excelente em todos os capítulos.” Sintetizou Edgar Florindo.  

“Não foi a estreia que pretendíamos no CER/GT, com o nosso Maserati a não quer colaborar. Os nossos tempos nos treinos demonstraram inequivocamente que tínhamos carro e equipa para ganhar a corrida, mas com os problemas que tivemos acabamos por não conseguir esses objectivos. Nos treinos cronometrados estava ao volante do carro, quando tive de entrar porque o carro ficou bloqueado em terceira velocidade, fizemos um “reset” ao sistema e a caixa voltou a funcionar normalmente. Regressei à pista e ainda deu para fazer a pole entre os GT C3, o que nos deixou satisfeitos e com muita motivação para a corrida. Arranquei bem no Domingo, mas quando rodava já em terceiro da geral, o carro voltou a ficar com a caixa “presa” desta vez em quarta velocidade e tive de entrar nas boxes. Apesar dos esforços da equipa não foi possível resolver o problema e por isso tivemos de desistir desde logo. Senti-me muito bem neste meu regresso aos GT e agora é olhar já para a próxima prova, onde tudo vai correr certamente melhor.”Adiantou Patrick Cunha.

“Foi de facto pena os problemas que tivemos, porque ficou demonstrado que temos um carro competitivo e uma dupla de pilotos muito equilibrada para enfrentar este desafio do CER/GT 2018. Conseguimos excelentes tempos e ser sempre os mais rápido na nossa categoria, o que faz com que parte dos objectivos tenham sido cumpridos. Vamos analisar agora o que se passou com o carro e tentar perceber qual o problema electrónico que faz com a caixa entre num tipo de “modo de segurança” e deixe de funcionar. Eu pela minha parte consegui recuperar algum do ritmo de competição perdido devido a um ano de paragem e sinto-me agora bem mais preparado para os próximo desafios.” Completou Jorge Rodrigues.

O Campeonato de Espanha de Resistência - GT 2018, volta ao activo no fim-de-semana de 19 e 20 de Maio, com a deslocação até ao Circuito de Motorland-Alcañiz.

VMS160418CERA